7 dicas de comunicação para uma clínica médica

 

7 dicas de comunicação para uma clínica médica

21
jul

Oi doutor(a), tudo bem?

Semanas atrás recebi via LinkedIn uma mensagem de uma profissional da área de psicologia. Ela parece estar montando seu consultório e gostaria de algumas dicas de comunicação para a empresa dela.

Achei bem legal esse contato pois muitas vezes as pessoas querem começar algo, mas não sabem como dar o primeiro passo. Eu, você e certamente a maioria das pessoas já passou por isso. Então, resolvi listar sete tópicos que julgo importante – pelo menos nessa área de comunicação, relacionamento e atendimento:

1 – defina seu público: que tipo de paciente sua clínica vai atender? Só adultos? Adultos e crianças? Público em geral?;

2 – estabeleça suas principais áreas de atuação. Pegando o exemplo da clínica de psicologia: transtorno depressivo? Luto? Problemas de relacionamento? Ansiedade? Etc;

3 – vai atender só particular ou planos de saúde também? Se for só particular, já defina o valor da consulta;

4 – use a linguagem adequada para se comunicar com o seu público, seja na consulta com o paciente e principalmente nas redes sociais. Ex.: será só o público infantil? Pense que nesse caso você deverá falar com os pais no mundo virtual, afinal de contas – em tese! – crianças não têm Facebook nem Instagram ou não sabem lidar com isso;

linguagem-medica-acessivel-a-todos

A linguagem do médico deve ser acessível aos pacientes.

5 – Deixe os termos técnicos da sua área para artigos e outras coisas mais específicas. Transforme sua especialidade numa ciência acessível a todos, que explique os problemas e que ajude os outros;

6 – O bom funcionamento de uma clínica depende de diversos fatores. Além dos ótimos profissionais, higiene, organização e ambiente aconchegante, uma das portas de entrada da clínica será o atendimento. Então, priorize um bom atendimento telefônico, na recepção e por e-mail. Ao mesmo tempo que a clínica pode ganhar pacientes por essas vias, ela também pode perdê-los;

7 – Use as redes sociais com sabedoria. Elas são ótimas ferramentas para divulgação dos profissionais da saúde. Só verifique com seu Conselho o que pode ou não ser divulgado – o CRM, por exemplo, tem várias restrições.

A maioria das dicas que listei ajudam a traçar uma estratégica de comunicação/relacionamento/atendimento, mas não devem ser levadas em consideração apenas no início do planejamento do consultório/clínica: elas devem ser aprimoradas a cada dia!

Mãos à obra?

Leia também:

:: De onde surgem as ideias para as pautas?

:: Por que contratar uma assessoria de imprensa?

:: Segundo minha mãe, eu providencio entrevistas!


 

 

 

A GD Assessoria Médica é comandada por Geziane Diosti, jornalista formada pela PUC-PR, com mais de dez anos de experiência profissional na área de comunicação, em especial assessoria de imprensa, produção de conteúdo para sites, mídias sociais e comunicação corporativa. Já teve passagens pelo Grupo RBS como redatora dos portais hagah, Guia da Semana e ObaOba, além de Kakoi Comunicação, M&C Comunicação e e-governe.

Categorias

Últimas Notícias

A mudança te muda
Minha mãe é supermetódica: tudo tem que ser do jeito que ela planejou, às vezes com horas, dias ou até…
Atraso na consulta médica: é possível melhorar isso?
Oi doutor(a), tudo bem? Quem nunca se atrasou para um compromisso que atire a primeira pedra – ou rasgue o…
Por que contratar uma assessoria de imprensa?
Oi doutor(a), tudo bem? Entra ano, passa ano, o curso de Medicina continua sendo um dos mais concorridos dos vestibulares…